fbpx

Espanhol: o caminho mais fácil para adquirir uma segunda língua?

Espanhol: o caminho mais fácil para adquirir uma segunda língua? Você já deve ter ouvido alguém falar que espanhol é muito fácil, nem precisa estudar... será? Descobra o que tem de mito e de realidade na decisão de escolher espanhol como o caminho mais fácil para adquirir a tão sonhada segunda língua e o diploma de proficiência em espanhol.

 [Leia no final a versão do texto em português]

Español: ¿el camino más fácil para adquirir una segunda lengua?

Decidí escribir este artículo porque muchas de las personas que me contactan para contratar clases de español son estudiantes de posgrado o doctorado aquí en Brasil. 

Uno de los requisitos de estos programas de posgraduación es certificar el dominio de una lengua extranjera por medio de un diploma de proficiencia.

Y realmente, para quien comienza de la nada, obtener el dominio de un idioma extranjero en poco tiempo parece algo imposible si pensamos en lenguas como inglés o francés. 

Por eso, todos se deciden por el español, pues, debido a la semejanza con el portugués, es la alternativa más cercana para poder lograr el objetivo. ¿Esto es realmente así?

La respuesta a esta pregunta es: sí…y no. Todo depende del abordaje que el estudiante adopte. 

En primer lugar, vamos a ver por qué sí aprender español es más rápido que aprender otras lenguas extranjeras:

  • El portugués y el español proceden de la misma raíz lingüística (lenguas latinas), de manera que comparten mucho en común. 
  • Esta semejanza permite cierta intercomunicabilidad entre ambos idiomas, o sea, se puede comprender algo aún sin haber estudiado nunca.

Por eso, el proceso de aprendizaje de la lengua española es relativamente rápido, si lo comparamos con el de lenguas muy diferentes al portugués. 

Pero esta relativa facilidad hace que muchas personas se engañen y lleguen a conclusiones equivocadas, principalmente cuando son monolingües. 

O sea, la persona que solo habla un idioma (el materno), y que como nunca ha aprendido una lengua extranjera, no conoce la dinámica que opera en nuestro cerebro al aprender otra lengua.

Veamos algunos errores de abordaje que hacen que las personas fracasen en sus intentos por obtener el tan soñado diploma de proficiencia en español:

1. Estudian español como si fuera geografía, historia, biología…

 

Algunos piden licencia por estudios en el trabajo para dedicar 20 días exclusivamente al estudio del español para prepararse para la prueba. Esto es un error, porque el aprendizaje de una lengua es totalmente diferente de otros aprendizajes.  

No es acumular conocimientos, es desarrollar habilidades. Se necesita tiempo para internalizar las nuevas formas, para construir los caminos sinápticos del nuevo idioma. 

Por eso, no funciona hacer maratones de estudio de ocho horas por día.

Es mucho más eficiente estudiar dos o tres veces por semana, en períodos cortos y con regularidad a lo largo del tiempo.

 

2. Piensan que entendieron… pero entendieron otra cosa diferente.

¡Los eternos falsos amigos! Aquellas palabras que se parecen en ambos idiomas, pero con significados totalmente diferentes, suelen causar las peores confusiones, pues tú vas a salir de una conversación creyendo que entendiste…pero resulta que no.

Como una amiga venezolana que en su trabajo tenía que contactar con brasileños y tuvo varios problemas de comunicación. 

Una vez; ella juraba que le habían dado seguridad total sobre algo, que estaba prácticamente firmado, porque la persona le había dicho “eu acredito que…”. 

En español, “acreditar” es “asegurar o dar fe documentalmente de que una cosa es auténtica o verdadera”.  

 

3. Piensan que si entienden lo que leen, están preparados para la prueba.

Exámenes de proficiencia como el DELE, tienen 4 pruebas y es necesario aprobar cada una de ellas. Algunos alumnos leen traduciendo y consiguen un resultado satisfactorio en la prueba de comprensión de lectura, pero no les va tan bien en la de comprensión auditiva

Y cuando llegan a la redacción, fracasan rotundamente. Ni hablemos de la entrevista oral, en la que, si no están bien preparados, no serán capaces de articular una frase correcta en español.

O sea, la prueba no es fácil. Está muy bien diseñada para identificar las habilidades reales del alumno en el idioma español. Y desarrollar la habilidad de hablar y de escribir, lleva tiempo.

No es algo que se estudie, es algo que se practica y se entrena con un docente que los ayude a desarrollar estrategias correctas de aprendizaje.

Un profesor que te saque la costumbre de traducir. Que te ayude a pensar en español. Que te indique a qué debes prestar atención. 

 

4. Subestiman las dificultades del español.

El sistema verbal, los pronombres, las formas de tratamiento, las expresiones idiomáticas, los falsos amigos que ya mencionamos… El español es un idioma con sus particularidades. 

Como cualquier idioma extranjero, representa una forma diferente de pensar, de ver la realidad y de concebir las ideas. 

Para realmente comunicarse en español, hay que dejar a un lado la lengua materna y sumergirse en el “espíritu” de la lengua para realmente comprender la lógica y la forma de construir el sentido de las palabras. 

 

Estos 4 puntos te los menciono, no para que te desanimes, sino todo lo contrario, para que tomes conciencia de lo que debes tener en cuenta para que tu proceso de aprendizaje sea productivo. 

A modo de conclusión, ¿es el español el camino más fácil para adquirir una segunda lengua? Sin lugar a dudas lo es, pero ten en cuenta que debes dedicar esfuerzo y ser persistente en tus sesiones de práctica, adquirir estrategias efectivas para el aprendizaje de un nuevo idioma, y, sobre todo, darte tiempo para ver los resultados. 

 

¿Y tú qué piensas? ¿Aprender español está siendo más fácil o más difícil de lo que esperabas? Cuéntame dejando un comentario aquí debajo. 


Texto em português:

Espanhol: o caminho mais fácil para adquirir uma segunda língua?

Decidi escrever este artigo porque muitas das pessoas que entram em contato comigo para contratar aulas de espanhol são estudantes de pós graduação ou doutorado aqui no Brasil.

Um dos requisitos destes programas de pós graduação  é certificar o domínio de uma língua estrangeira mediante um diploma de proficiência. 

E, na verdade, para quem começa do zero, obter o domínio de um idioma estrangeiro em pouco tempo parece impossível se pensar em línguas como o inglês ou o francês. 

Por isto, todo mundo opta pelo espanhol, por causa da semelhança com o português, é a alternativa mais factível para se alcançar o objetivo. Isto é assim, mesmo?

A resposta para esta pergunta é: sim, e não. Tudo depende da abordagem adotada pelo estudante.

Em primeiro lugar, vamos descobrir por que aprender espanhol é mais rápido do que aprender outras línguas estrangeiras:

  • O português e o espanhol procedem da mesma raiz linguística (línguas latinas), de forma que tem muito em comum.
  • A semelhança permite alguma intercomunicabilidade entre os dois idiomas, ou seja, é possível compreender alguma coisa sem nunca ter estudado. 

Portanto, o processo de aprender a língua espanhola é relativamente rápido, se compararmos com o de línguas muito diferentes do português.

Mas essa relativa facilidade faz com que muitas pessoas se enganem e cheguem a conclusões erradas, especialmente quando são monolíngues.

A pessoa que só fala uma língua (a língua materna) e, como nunca aprendera uma língua estrangeira, não conhece a dinâmica que se produz no nosso cérebro quando aprendemos outra língua.

Vejamos alguns erros de abordagem que fazem com que as pessoas falhem em suas tentativas de obter o diploma de proficiência em espanhol:

1. Estudar espanhol como se fosse geografia, história, biologia …

Algumas pessoas tiram férias no trabalho para dedicar 20 dias exclusivamente ao estudo do espanhol para se preparar para o teste. Isso é um erro, porque aprender um idioma é totalmente diferente de outro aprendizado.

Não é acumular conhecimento, é desenvolver habilidades. Leva tempo para internalizar as novas formas, para construir os caminhos sinápticos da nova linguagem.

Portanto, não adianta fazer maratonas de estudo de oito horas por dia.

É muito mais eficiente estudar duas ou três vezes por semana, em períodos curtos e regularmente ao longo do tempo.

2. A pessoa acha que compreendeu … mas, compreendeu algo diferente.

Os eternos falsos amigos! Essas palavras que são semelhantes nos dois idiomas, mas com significados totalmente diferentes, geralmente causam a pior confusão, porque você pode sair de uma conversa acreditando que entendeu tudo … só que não.

Minha amiga venezuelana que trabalhava com brasileiros teve vários problemas de comunicação.

Um dia, ela jurava que tinha recebido total segurança sobre alguma coisa, que a pessoa tinha dado garantias de confirmação sobre determinado assunto, porque a pessoa disse a ela: “Acredito que …”.

Em espanhol, “acreditar” significa “garantir ou fornecer provas documentais de que uma coisa é autêntica ou verdadeira”.

3. Achar que está preparado para a prova porque entende o que lê.

Testes de proficiência, como o DELE, têm 4 provas e é necessário passar em cada uma delas. Alguns alunos leem traduzindo e até que obtém resultado satisfatório na prova de compreensão de leitura, mas não se saem tão bem no teste de compreensão auditiva.

E quando chegam à redação, fracassam categoricamente. Não vamos nem falar da entrevista oral, na qual, se não estiverem bem preparados, não poderão articular uma frase correta em espanhol.

Ou seja, a prova não é fácil. É muito bem projetada para identificar as habilidades reais do aluno no idioma espanhol. E, desenvolver a capacidade de falar e escrever leva tempo.

Não é questão de estudar, é sim praticar e treinar com um professor para ajudá-lo a desenvolver estratégias corretas de aprendizado.

Um professor que tira você do hábito de traduzir. Para ajudá-lo a pensar em espanhol. Para lhe dizer em que aspectos deve prestar atenção.

4. Não levar a sério as dificuldades do espanhol.

O sistema verbal, pronomes, formas de tratamento, expressões idiomáticas, falsos amigos que já mencionamos … O espanhol é uma língua com suas particularidades.

Como qualquer língua estrangeira, representa uma maneira diferente de pensar, ver a realidade e conceber idéias.

Para realmente se comunicar em espanhol, você deve deixar de lado a língua materna e mergulhar no “espírito” da língua para realmente entender a lógica e a maneira de construir o significado das palavras.

 

Esses quatro pontos que mencionei, não foi para desencorajá-lo, mas pelo contrário, para que você tome consciência do que deve levar em consideração para que seu processo de aprendizado seja produtivo.

Em conclusão, o espanhol é a maneira mais fácil de adquirir um segundo idioma? Sem dúvida é, mas lembre-se de que você deve dedicar esforço e ser persistente em suas sessões de prática, adquirir estratégias eficazes para aprender um novo idioma e, acima de tudo, dar tempo ao tempo para ver os resultados.

E o que você acha? Aprender espanhol é mais fácil ou mais difícil do que você esperava? Deixe o seu comentário abaixo.

 

 

 

4 comentários em “Espanhol: o caminho mais fácil para adquirir uma segunda língua?”

  1. Aprender espanhol não é facil, mais sinto um pouco de dificuldade na gramatica, e tambem sinto falta na pratica, tendo em vista que nem sempre estamos falando em espanhol. Qual dica para treinar este espanhol sozinho?

Deixe um comentário